Guia completo sobre planejamento com animais de estimação

13 minutos para ler

Você sabia que o Brasil tem quase 140 milhões de animais de estimação? Do total, cerca de 7% da população pet está concentrada no Centro-Oeste. Com cachorros e gatos entre as preferências das casas, os amigos de quatro patas estão cada vez mais presentes em nossas vidas.

Se você deseja ter o próprio peludinho, saiba que é essencial contar com um bom planejamento. Afinal, estamos falando de um ser que precisa de amor, atenção e cuidados ideais para seu bem-estar. Ao se preparar corretamente, a decisão é mais tranquila e você tem a melhor experiência.

Quer descobrir como se preparar para ter um pet? Veja as nossas dicas imperdíveis!

Como fazer um planejamento financeiro para ter animais de estimação?

Ter um bichinho de estimação exige o investimento certo, de acordo com as necessidades dele. Por isso, é essencial elaborar um bom planejamento financeiro, e a melhor forma de fazer isso é conhecendo quais são os custos com o companheiro de quatro patas. Para se planejar corretamente, veja quais são os pontos principais!

Alimentação

Assim como os humanos, os cães e os gatos devem ter a alimentação adequada. É preciso escolher uma ração nutritiva e adequada à idade e à raça do animal. Mas esse não é o único item na lista!

Você deve incluir petiscos e sachês — principalmente para os felinos. Como os bichanos não bebem muita água naturalmente, ofereça ração úmida diariamente. Inclua nos custos!

Vacinação

Proteger a saúde do pet também é essencial e isso exige o cuidado com a vacinação. As vacinas previnem diversos problemas infecciosos e oferecem proteção ao amigo peludinho. No caso dos filhotes, esse cuidado é ainda mais indispensável, já que garante o reforço do sistema imunológico.

A antirrábica é fundamental para gatos e cachorros, mas cada espécie tem uma exigência quanto às doenças mais comuns. Conversar com o veterinário e ficar de olho no calendário é essencial.

Castração

Castrar o seu bichinho também é um ato de amor. No caso dos gatos, por exemplo, é uma ótima forma de diminuir os riscos de fuga. O processo precisa ser feito de maneira especializada, embora a cirurgia seja simples.

Para o seu planejamento financeiro, a boa notícia é que se trata de um custo único. Então, planeje os gastos com a operação, com a internação e com os medicamentos somente uma vez.

Consultas

Já as consultas veterinárias têm que acontecer de maneira periódica. A ideia é acompanhar de perto a saúde dos animais de estimação, em vez de focar apenas os casos de emergência. Assim, você garante que ele estará sempre saudável e bem disposto.

É preciso prever os custos com as consultas, com possíveis exames e também com medicações e internações, caso sejam necessárias.

Banhos

Para manter a higiene e o bem-estar do pet, você ainda deve incluir o banho e a tosa no orçamento. Eles costumam ser mais frequentes e, por isso, é preciso tomar cuidado com os gastos envolvidos.

Com esses cuidados, o bichinho sempre estará pronto para ficar em casa e com uma aparência bem-cuidada.

Quais raças não se dão bem com o calor?

O clima de Brasília é conhecido pela alta temperatura e pela baixa umidade. Essa é uma condição que afeta até os humanos e que, portanto, causa impacto nos animais de estimação. Antes de comprar um bichinho, é preciso tomar cuidado e escolher apenas raças que se adaptam bem a essas condições. Na sequência, veja o que observar nesse sentido.

Cães

Os cachorros, diferentemente dos humanos, não suam e não conseguem regular a temperatura. O clima intenso de Brasília pode gerar desconforto e, por isso, é essencial conhecer quais são as raças que não se adaptam a essas condições. Confira:

  • chow-chow: a raça tem uma grande quantidade de pelo e de gordura, o que aumenta a temperatura;
  • buldogue inglês: por causa dos problemas de respiração, o aquecimento do corpo é perigoso para a saúde;
  • Lulu-da-Pomerânia: como tem origem em regiões frias e uma pele sensível, não se dá bem com o calor;
  • São Bernardo: por causa da grande quantidade de pelos e da origem em locais frios, o animal também sofre com o calor.

Por outro lado, há muitas outras opções que não têm problemas com o clima de Brasília e suas características. Entre as principais, estão:

  • pinscher: capaz de suportar temperaturas mais elevadas, é disposto até a se movimentar bastante no calor;
  • beagle: graças ao pelo fino, não passa apuros em locais com a temperatura maior;
  • doberman: apesar de ser de grande porte, tem uma pelagem curta e boa capacidade respiratória;
  • dálmata: a pelagem branca evita a absorção excessiva de radiação solar e o baixo índice de gordura impede o grande aquecimento;
  • chihuahua: por vir de um país quente, a raça se ajusta e até gosta do calor, sem prejuízos à saúde;
  • vira-lata (SRD): fruto de uma mistura de raças, tem características mais fortes e consegue se adaptar melhor ao calor, entre outros.

Gatos

Normalmente, gatos não se dão bem com temperaturas frias, o que garante que esses animais de estimação se adaptem ao clima de Brasília. No entanto, algumas raças têm maior dificuldade para lidar com as temperaturas altas.

Todas têm um ponto em comum: a pelagem intensa, que aumenta a temperatura do corpo. Originários de países frios também têm maior dificuldade de adaptação em Brasília. Entre as opções, estão:

  • persa;
  • angorá,
  • ragdoll, entre outras.

Já os que se adaptam ao calor incluem pelagem fina e/ou curta, o que garante maior conforto na capital brasileira. Entre as melhores raças, estão:

  • siamês;
  • Sphynx;
  • SRD, entre outras.

Quais os cuidados necessários em dias quentes?

Quando a temperatura sobe, os cuidados com animais de estimação têm que ser reforçados. Com as medidas certas, você garante o bem-estar e protege a saúde do pet, sem complicações. Para raças que não lidam bem com o calor, inclusive, a atenção deve ser redobrada. Descubra quais são os cuidados essenciais!

Acerte no passeio

Para evitar problemas de saúde, o ideal é escolher o momento adequado para o passeio. Evite períodos das 10h às 16h, pois é quando o sol está mais intenso e capaz de gerar problemas.

Além disso, confira como está a temperatura do asfalto ou da calçada. Se você não conseguir colocar os pés, o bichinho também sofrerá queimaduras nas patas. Se não for possível protegê-las, é melhor esperar.

Não menos importante, considere passar um protetor solar indicado pelo veterinário. Assim, é possível bloquear a atuação da radiação ultravioleta.

Ofereça água e comida

Durante os dias quentes, é essencial reforçar o cuidado com a hidratação e a alimentação. Mantenha potes de comida e água sempre frescos e de forma que estimulem o consumo adequado do bichinho.

Para os gatos, que não têm o hábito de beber muita água, é possível até usar fontes especiais e voltadas para o estímulo.

Ao sair para passear, leve água e um potinho. Já há produtos específicos para isso no mercado e que garantem o bem-estar do pet.

Tenha cuidado com os exercícios

A intensidade da atividade também merece atenção. Nos dias de maior calor, evite estimular demais o animal de estimação. Se for passear, faça caminhadas leves em vez de corridas, por exemplo.

Também é essencial evitar passeios muito longos. Lembre-se de que o aumento da temperatura eleva o desgaste do corpo do bichinho. Por isso, o excesso pode ser muito prejudicial.

Como preparar o ambiente para a espera do pet?

Ter o cantinho certo para o novo membro da família é essencial. A dica é preparar o ambiente para a chegada do integrante peludo, o que significa adquirir e usar os itens certos. Descubra como deixar o lar preparado para receber os animais de estimação!

Escolha o espaço certo

É essencial que o bichinho tenha o ambiente adequado para dormir, brincar e fazer suas necessidades. Mesmo que ele possa aproveitar toda a casa, vale separar um cantinho especial para deixar os principais itens dele, como o pote de ração ou a caminha.

O local deve ser arejado e bem iluminado, além de ser fácil de limpar. Assim, você garante conforto para o pet e praticidade na sua vida.

Cuide da segurança

Também é essencial tomar cuidado com a segurança. Quem mora em apartamento precisa telar as janelas e a sacada, para evitar quedas. Em casas, também é preciso tomar cuidado com a fuga do bichinho e com a piscina, se for o caso.

Além de tudo, pense nos acidentes domésticos, como o acesso a áreas perigosas ou produtos inadequados. Lembre-se de que é sua a responsabilidade de garantir a segurança do pet.

Compre os objetos e acessórios adequados

Para completar, não se esqueça de adquirir os itens essenciais para o cotidiano do cachorro ou gato. Em todos os casos, é preciso ter potes de ração e água, caminha especial para o tamanho e brinquedos para distrair.

No caso dos felinos, ainda é preciso disponibilizar uma caixa de areia por bichano e itens especiais, como o arranhador — o grande responsável por proteger seus móveis das garras afiadas.

Quais são os cuidados necessários com um filhote?

Os filhotes, especialmente, exigem uma atenção diferenciada. Eles estão em pleno desenvolvimento, e todos os cuidados necessários influenciam o bem-estar dos pequenos. Ao adquirir um animal como esse, portanto, é preciso ter atenção a certos aspectos. Veja o que observar!

Planeje o adestramento

Os primeiros meses de vida de um cão são sempre os melhores para ensinar truques e melhorar o comportamento. Por isso, pense no adestramento, realizado por um profissional, para garantir a melhor convivência com o bichinho.

No caso dos felinos, você deve se preocupar em ensinar certos comportamentos, como o uso da caixa de areia. A ideia é apenas estimular o instinto, para que tudo saia conforme o esperado.

Tenha cuidado com o tempo sozinho

Filhotes precisam de atenção e têm bastante energia. Por isso, o ideal é evitar que eles fiquem muito tempo sozinhos. A companhia das pessoas da casa, inclusive, é essencial para torná-los mais sociáveis.

Não se esqueça de que não basta deixar comida e água. A falta de atenção é considerada um tipo de abandono e afeta o bem-estar animal. Portanto, considere essas necessidades antes de tomar a decisão.

Providencie as vacinas

Como dito, vacinar o animal de estimação é essencial para a sua proteção. No caso dos filhotes, é ainda mais importante, já que muitas vacinas devem ser dadas logo nos primeiros meses.

Converse com o veterinário para criar um calendário de vacinação adequado a cada espécie e a cada necessidade. Quanto maior for o planejamento, melhor.

Acerte na alimentação

O organismo dos filhotes de cães e gatos ainda está em desenvolvimento, o que exige cuidados diversos — e a alimentação é um deles. O ideal é oferecer rações e petiscos adequados para essa fase.

Além de trazerem os nutrientes necessários, também são do tamanho certo para as porções e para a digestão. Mais uma vez, a orientação profissional ajuda a tomar as melhores decisões.

Estimule a interação com outros pets

Como essa fase é repleta de aprendizados, também é ideal para estimular a socialização do animal. Vale estimular o contato com outros animais de estimação — da mesma espécie e de outras diferentes.

Só fique de olho no contato com animais maiores. Sempre mantenha a supervisão para evitar brigas e acidentes, pois os filhotes são mais sensíveis.

Como escolher uma clínica veterinária?

O apoio de especialistas é indispensável para cuidar de animais de estimação da melhor maneira. Por isso, escolher a clínica veterinária correta é essencial para que você tenha bem-estar e para que o pet conte com mais qualidade de vida. Como há muitas opções disponíveis, veja o que considerar nessa escolha!

Confira a capacitação dos profissionais

O ponto mais importante é contar com o apoio de veterinários especializados e com a devida capacitação. Conheça os profissionais da clínica, entenda se são especialistas e se têm os conhecimentos necessários.

Inclusive, vale a pena ter o apoio de veterinários voltados para certas condições e determinados momentos da vida do pet. Ao encontrar os melhores profissionais em um só lugar, há mais segurança e conforto.

Avalie o atendimento e os serviços

Além disso, é preciso pensar em toda a experiência oferecida. Mais que consultas ou vacinação, a clínica deve contar com outros serviços, como fisioterapia, dermatologia ou até oncologia. Com atuação completa, você terá o apoio necessário em todos os momentos.

Quanto ao atendimento, veja se ele é prestativo, profissional e flexível. Contar com o apoio 24 horas garante que você tenha a ajuda necessária a qualquer momento ou situação.

Fique de olho na estrutura

Escolher uma clínica com boa estrutura é algo voltado para a segurança, o conforto e a boa experiência. Ao longo do processo de decisão, confira todas essas características do empreendimento.

Veja se há áreas especiais para as cirurgias, para os atendimentos e para as internações, por exemplo. Aproveite para conferir a presença de laboratórios e até de um espaço felino separado dos cães.

Opte por uma clínica de confiança

Cuidar da saúde dos animais de estimação é coisa séria e, por isso, é preciso ter muita confiança no estabelecimento. Para ter mais segurança para cuidar do seu pet, prefira uma clínica com boas referências de amigos, familiares e mesmo de outras pessoas da cidade.

Aproveite o poder das redes sociais e veja o que os clientes falam sobre os serviços e o cuidado destinado aos pets. Assim, fica mais fácil tomar uma boa decisão.

Os animais de estimação exigem os cuidados certos com a saúde e o bem-estar. Em troca, oferecem muito amor, companheirismo e novas experiências em seu cotidiano. Então, use todas essas recomendações para se planejar e tomar a melhor decisão!

Quer ficar por dentro de outras novidades e dicas sobre o mundo pet? Assine a nossa newsletter e não perca as atualizações!

Você também pode gostar

Deixe um comentário